sábado, 27 de junho de 2009

Vamos chutar o preconceito

Passeata contra a Violência no Trânsito

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Violência nas Escolas em SP

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Professora luta contra o Racismo na escola

Professor guarani luta para preservação de sua cultura

Debate sobre racismo e desigualdade

Entrevista com o professor Romulo - A paz é o fruto da justiça



www.eemag.com.br/paz

Projeto: Fraternidade e Segurança Pública : A Paz é fruto da Justiça
Serão trabalhados:
Tipos de violência
1. Violência estrutural
2. Violência Física
3. Violência simbólica
4. A violência no meio familiar
5. A violência contra o nascituro e sua mãe
6. Os meios de comunicação social
7. A violência do racismo
8. A violência no campo
9. A violência contra os povos indígenas
10. A violência no trânsito
11. A violência contra a natureza
Violência, corrupção e injustiça social
A violência explícita .
12. O universo das drogas
13. O tráfico humano
Iluminação bíblica.
17. O amoroso projeto de Deus
18.O pecado e a violência
19. A novidade do Evangelho
20 A comunidade cristã.
21.Paulo:o amor renova o mundo

Escolha Viver sem as Drogas

terça-feira, 23 de junho de 2009

A paz é fruto da justiça - EEMAG

Besouro Trailer do Filme

video

Reserva indigena sofre com ação de desmatamento

video

Indio Luta para preservar sua cultura

video

domingo, 21 de junho de 2009

Final do Soletrando 2009

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Principal vilão da Amazônia é o brasileiro, diz ambientalista



A Amazônia, a maior floresta do mundo, é também o maior ecossistema do planeta. Há muitos anos, no entanto, sua imagem está ligada a desmatamentos e queimadas, fatos que repercutem no mundo inteiro.

sábado, 13 de junho de 2009

Continuação Histórico EEMAG

O referido Grupo Escolar recebeu a denominação especial de "Professora Maria Amélia Guimarães", pelo Decreto nº70.236, de 17/01/67, publicado no M.G de18/01/67.
A escolha do nome se justifica pelos relevantes serviços prestados por Maria Amélia Guimarães ao ensino de Minas Gerais.
Em agosto de 1967, assumiu a direção do Grupo Escolar a Diretora Maria Duarte Porto, substituindo a coordenadora Antonieta Guimarães Lisboa, que muito trabalhou pelo engrandecimento do Grupo. No ano de 1969, foram construídas mais duas salas e em 70, mais duas, passando assim o total de 08 salas de aula.
Em 1978, com grande entusiasmo, o povo do Bairro Pirajá recebeu, além de um prédio escolar com instalações para extensão de série, um Posto de Saúde e Biblioteca Escolar Comunitária anexos.
O prédio, privilegiado pela situação topográfica que oferece uma linda vista, prova evidente do trabalho e esforço conjugados entre o povo, representado por uma Associação Comunitária, o Governo e aDireção da Escola, que irmanados num mesmo ideal, lutaram e conseguiram esta grandiosa obra.
No dia 20 de agosto de 1978, a Escola passou assim, a funcionar em sede própria no prédio da Rua Amaral nº32,construído pela CARPE, sendo Governador do Estado, o Exmo. Sr. Dr. Antônio Aureliano Chaves de Mendonça, Secretário de Estado da Educação, Dr. José Fernandes Secretário de Estado do Trabalho, Ação Social e Desportos, Dr. Mário Assad, Presidente da Associação dos Moradores do Bairro Pirajá, Sr. João Amaral Sobrinho, Diretora da Escola, Maria Duarte Porto Vilani.
O curso de Educação integrada começou a funcionar em 1973 com 187 alunos que compunham o antigo primário noturno, para atender à Circular 01/72 de 14/09/72, publicada no Minas Gerais de 17/10/72 e às normas gerais de funcionamento dos programas de Educação Integrada, publicadas no Minas Gerais de 18/04/73.
A Educação Integrada foi extinta na Escola em 1980 por força da extensão de séries quando tinha 133 alunos dos quais, 63 receberam certificado.
Em 30 de setembro de 1980, aconvite do Sr. Secretário da Educação Dr. Eduardo Levindo Coelho e Diretor da 1ª DRE, Dr. Saulo Converso Lara, a Diretora Rússia Perdigão Barreto Silva, passou a dirigir a referida Escola por força do ato do Sr. Secretário do Estado da Educação, publicado no "Minas Gerais" de 26/11/80.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

A Paz é Fruto da Justiça- Escolha viver sem a droga

video

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Continuação do Histórico EEMAG

Enfrentando assim sérios problemas que adviriam, a professora Ely Omellas Torres assumiu a responsabilidade de concretizar o sonho da Comunidade do Pirajá e a 19 de maio de 1962 foram instaladas as Escolas Combinadas do Pirajá por ato publicado no M.G de 19/05/62 sendo Governador do Estado, Dr. José de Magalhães Pinto.
Por falta de mobiliário adequado, foram usados bancos sem nenhum conforto.
As escolas começaram com 280 alunos aproximadamente, 9 classes, e um regime de três turnos e duas serventes.
O quadro da escola ficou assim organizado:

Cordenadora: Ely Omellas Torres

Professoras: Marlene Poleto
Renildes Francisco Torres
Maria Mendes Barbosa
Amélia de Lemos Braga
Maria José G. Cardoso Matos
Selena Celeste Oliveira Mendes
Maria Aparecida Omellas
Helena da Silva Santos
Deolina Guimarães

Serventes
: Olivia Luiza de Jesus
Terezinha Martins Mendes

Desde o início, foi instalada a cantina escolar que atendia toda a totalidade dos alunos.
Mais tarde, passou a funcionar também o curso supletivo.
A 25 de abril de 1963, entrou a coodernadora Antonieta Guimarães Lisboa.
As classes foram agrupadas em um único prédio à Rua Valério nº109, de propriedade do Sr.Ivan de Oliveira Ramos, passando assim a funcionar em 04 salas, sendo todas separadas por biombos de madeira.
A 29 de novembro de 1966, as Escolas Combinadas foram transformadas em Grupo Escolar pelo Decreto nº 10.151, publicado no M.G de 30/11/65.

domingo, 7 de junho de 2009

Dois Mil estudantes saem ás ruas em defesa da Paz

ALEXANDRE NASCIMENTO
O TEMPO
Cerca de 2 mil alunos de várias escolas de Belo Horizonte participaram, nesse sábado, da Marcha Mundial pela Paz, no centro da capital. Os jovens se concentraram nas escadarias da Igreja São José e seguiram pela avenida Afonso Pena em direção à Prefeitura de Belo Horizonte, onde cantaram o hino da paz, músicas sobre o tema e fizeram apresentações de balé.
A Marcha acabou na praça Tiradentes e não prejudicou o trânsito. Os estudantes tiveram como princípio a mensagem deixada por Martin Luther King, ativista protestante norte-americano morto em 1968 que dizia: "ou aprendemos a viver juntos como irmãos ou morreremos juntos como idiotas."

A Manifestação abre na capital mineira comemorações da Marcha Mundial

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Mec planeja ensino médio com 200 horas a mais por ano



O Ministério da Educação (MEC) planeja mudanças no ensino médio com a intenção de estimular as redes estaduais de educação a pensar novas soluções que diversifiquem os currículos. O objetivo é integrar os conteúdos com as atividades diárias, melhorando a qualidade da educação oferecida nessa fase de ensino e tornando-a mais atraente. Atualmente, o ensino médio tem a maior evasão da educação básica.

A proposta tem cinco questões a serem discutidas. A primeira é estudar a mudança da carga horária mínima do ensino médio para três mil horas – um aumento de 200 horas a cada ano. Outra mudança é oferecer ao aluno a possibilidade de escolher 20% de sua carga horária e grade curricular, dentro das atividades oferecidas pela escola.

Faz parte ainda da proposta a valorização da leitura e a garantia da formação cultural ao aluno. A mudança também inclui a possibilidade de os professores associarem teoria e prática, com grande ênfase nas atividades experimentais, como aulas práticas, laboratórios e oficinas, em todos os campos do saber.

Atualmente, o ensino médio é dividido em12 matérias (português, matemática, biologia, química, física, geografia, história, filosofia, sociologia, artes, educação física e língua estrangeira). A ideia do MEC é passá-las para grupos maiores: exatas e biológicas, línguas, matemática e humanas. As alterações atenderiam ao programa de estudo do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que pode substituir o vestibular tradicional nas universidades federais.

O ministério pretende que o Conselho Nacional de Educação (CNE) aprove as propostas até junho. As discussões começaram na última segunda-feira, dia 4. Aprovadas, o governo estadual decide se adere ou não ao novo currículo, que poderá ser adotado a partir de 2010. As escolas interessadas vão receber ajuda financeira para implantar a mudança. Até agora, o MEC tem recursos para financiar as cem escolas com as menores notas no Enem.


Repercussão
Para o diretor de Comunicação do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas (Sind-UTE), Antônio Bráz, as mudanças são bem-vindas. Ele, entretanto, faz uma crítica ao governo. "O MEC deveria democratizar a informação e convidar toda a comunidade para participar dessa discussão, desde alunos, pais e professores até os auxiliares."

Segundo Bráz, a proposta pode gerar resistências de alguns professores para aceitá-la. "Os trabalhadores vão precisar receber curso complementar para aperfeiçoar o conhecimento à nova realidade de ensino."

Apesar de ainda não ter recebido uma formalização da proposta pelo governo federal, o diretor do Colégio de Aplicação João XXIII, José Luiz Lacerda, afirma ser a favor das alterações.

Assim como Bráz, Lacerda acredita que será preciso preparar os professores para a mudança. "Será necessário trabalhar com a formação continuada dos professores para que eles possam mudar a forma de ensinar, adequando-a para a nova perspectiva. Caso contrário, as mudanças vão ficar no papel."

Quanto à adesão para o próximo ano, ele diz que será um desafio, mas não descarta a possibilidade. "A implantação deve começar, mesmo com problemas. Se esperarmos o momento certo, pode acabar não ocorrendo. Temos que reconhecer os limites para a implementação em 2010." A Secretaria de Estado da Educação (SEE) ainda não se posicionou sobre a proposta do MEC.